Dia da Igualdade Salarial: Seis dicas para igualdade salarial nas redações

Por ocasião do Dia Internacional da Igualdade Salarial, que se comemora em 18 de setembro, a Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) publicou seis dicas para os meios de comunicação estabelecerem a igualdade salarial nas redações.

De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), as mulheres recebem 20% menos salários do que os homens em todo o mundo. E o jornalismo não é exceção.

Embora alguns dos principais meios de comunicação afirmem ter adotado escalas salariais para provar a sua boa vontade em relação às reivindicações de igualdade salarial, o acesso a promoções, bônus e pagamentos em espécie geralmente não são tornados públicos.

Além disso, a maternidade é outro fator que acarreta inevitavelmente uma nova penalização salarial para as mulheres que pode afetar toda a sua carreira profissional.

Os recentes escândalos salariais na BBC mostraram que mesmo os meios de comunicação públicos, que são mandatados como um serviço público e têm apoiado políticas fortes para melhorar a igualdade de gênero, não conseguiram remunerar de forma justa o seu pessoal. Pelo menos setecentas jornalistas receberam aumentos salariais na sequência de uma decisão judicial de 2020 que reconheceu que a apresentadora Samira Ahmed ganhava seis vezes menos do que o seu homólogo masculino que apresentava um programa semelhante.

No Dia Internacional da Igualdade Salarial, a FIJ lembra aos governos a importância de adotar leis fortes de igualdade salarial e insta os meios de comunicação social de todo o mundo a adotarem princípios claros de transparência salarial, seguindo estas seis dicas para a igualdade salarial:

– usar escalas salariais transparentes nas redações

– anunciar publicamente todas as ofertas de emprego

– estabelecer uma política de igualdade de oportunidades

– realizar uma avaliação anual de toda a equipe

– realizar uma auditoria sobre a igualdade salarial no local de trabalho (salário médio entre homens e mulheres) e publicar os resultados

– garantir que as pessoas que solicitam licença maternidade/paternidade retornem ao mesmo emprego com as mesmas condições de trabalho e salário

A presidente do Conselho de Gênero da FIJ, María Ângeles Samperio, afirmou: “A disparidade salarial entre homens e mulheres representa uma grande injustiça social na nossa profissão. Os conselhos da FIJ são um bom ponto de partida para isso e encorajamos a mídia a utilizá-los e a trabalhar em estreita colaboração com os sindicatos para desenvolver políticas fortes de transparência em suas redações.”

Veja também

Feito com amor 💜 por go7.com.br
Fale com o Sindjor!